Dia 18 de outubro é o Dia de São Lucas, e Dia do Médico. Lucas é o autor do terceiro Evangelho e dos Atos dos Apóstolos, era amigo e companheiro de São Paulo (cf. Col 4,14), e um verdadeiro médico no sentido fiel da palavra, pois era “médico de homens e de almas” (título do livro de Taylor Caldwell sobre a vida de São Lucas).

A OMS (Organização Mundial da Saúde) define saúde como o “bem-estar, físico, mental e espiritual”. É por isso que é função de todo médico tratar da pessoa humana como um todo, físico e espiritual. Todo médico faz o juramento de Hipócrates (Hipócrates de Cós, Grécia, 460 a 370 a.C., pai da Medicina): “Prometo solenemente consagrar a minha vida ao serviço da humanidade. Darei aos meus mestres o respeito e o reconhecimento que lhes são devidos… A saúde do meu doente será a minha primeira preocupação… No exercício da minha profissão, ou fora dela, o que não convenha que seja divulgado, guardarei silêncio como um segredo religioso.”.

Sob juramento, promete, entre outras coisas, defender a vida, do início ao fim, e além, pois lhe cabe dar tratamento digno também aos cadáveres. Tem que estar sempre pronto para atender quem quer que seja, onde quer que esteja, no trabalho, no lazer ou na igreja, no ar ou no mar. O paciente deve ser sempre o objetivo da existência do médico. O paciente não pode jamais ser utilizado como um meio para atingir um fim; para o bem dele deve o médico trabalhar, sempre pautado na ética e na boa prática profissional.

À semelhança dos sacerdotes, o médico trata, mas é o Médico dos Médicos quem cura. Diz-se que alguns médicos se acham deuses, e que outros têm mesmo a certeza de que são. Todavia, no exercício da profissão, devemos ser humildes o bastante para reconhecer nossa pequenez e nossas limitações, e colocar todo o conhecimento (ciência/razão) e sabedoria (fé) para o bem daqueles a nós confiados.

Não somos o “dr. Google”, que tem respostas (não confiáveis) para tudo, mas nossas respostas são sempre individualizadas e humanizadas, fruto de anos de intensos estudos, aprendizados e atualizações.

Enfim, somos médicos, e estamos sempre a postos, para “curar quando possível, aliviar quando preciso, e consolar sempre” (Hipócrates).

São Lucas, rogai por nós!

 

Diácono José Portes Grigio

Cooperador da Catedral