O homem não vive sem esperança! Por isso, a Igreja começa o ano litúrgico convidando-nos a voltar-se em direção àquilo que está por vir, àquele que quer vir a nós de um modo especial: Jesus.

O que esperamos hoje da nossa vida? Talvez as crianças esperem um bom presente de Natal, um descanso das atividades escolares e um verão cheio de diversão; os adultos esperem seu décimo terceiro e alguns dias merecidos de férias. Quantas pessoas doentes e necessitadas esperam a solução de seus problemas! E depois, quando isso vier e passar, em que esperaremos? Esperaremos um ano feliz, um pouco melhor do que passou. Mas só isso? Os anos voltarão a passar! A Igreja nos convida a esperar algo maior, que não passe, nos convida à esperança. Por isso, nos convida a olhar para o menino Deus, Jesus, que veio para salvar o homem e mostrar o quanto Deus o ama.

Todos nós temos desafios e dificuldades a superar, desejos e sonhos a realizar. Mas quem pode nos garantir que isso será possível? Na sua primeira viagem à terra natal, o papa Bento XVI disse: “se o futuro não é certo, o presente se torna impossível de viver” e depois concluiu: “com Deus existe futuro!” Deus se fez carne para estar mais presente ainda na vida do homem. Ele mesmo partilhou os sofrimentos dos homens e carregou sobre si as suas dores (cf. Is 53) vencendo o maior inimigo da sua felicidade: o mal, o pecado e o seu fruto, a morte.

Ao ver Jesus, o Deus presente entre nós para nos salvar, nosso coração pode se alegrar (cf. Lc 1,47) e descansar por ter um Deus poderoso, um Deus que é Pai e que se abaixa para nos elevar a uma vida melhor, a vida eterna. Para recebê-lo, é necessário ir a Belém, é necessário preparar seu caminho até nós. E como podemos fazê-lo? O primeiro passo é ir ao seu encontro por meio da oração. Nesse caminhar, precisamos preparar nosso coração para acolhê-lo, sobretudo tirando das nossas vidas tudo aquilo que é contrário ao seu amor. Como podemos receber seu amor no nosso coração se nele reina o egoísmo, a inveja, o rancor, a divisão? Necessitamos converter nossa vida a Ele. E, ao caminhar, não devemos perder de vista nossa meta, nossa esperança: o encontro com Deus, o Senhor e Salvador de nossas vidas. Esperar em Deus vai além de confiar que Ele se preocupa comigo e quer minha felicidade; esperar em Deus implica abandonar a própria vida e a família, com todas as suas preocupações e alegrias, deixando que seja Ele quem nos acompanhe e nos conduza à vida eterna; não caminhar órfão por este mundo. Virão preocupações, teremos sonhos, mas já não estaremos sós. Deus também espera algo de nós: espera nosso sim, pois Ele nos ama e nos guiará à vida plena, à vida eterna.

 

Pe. Mairon Gavlik Mendes, LC