Exaltar e adorar a Santa Cruz parece algo estranho para muitos ainda hoje. Como diz São Paulo, em 1Cor 1,23: “escândalo para os judeus e insensatez para os pagãos.”. Como compreender e aceitar a cruz? Qual o sentido da cruz para cada um de nós? Será símbolo do sofrimento, da dor, da morte, da derrota? Ou da vitória, da alegria, da entrega, da vida e do amor?

O projeto é de Cristo, a decisão é de cada um. Deus ama o homem e oferece-lhe a vida. O sofrimento e a morte não vêm de Deus, mas são resultados das escolhas erradas feitas por nós.

A Cruz de Cristo está no centro de nossa fé. Por meio dela, a morte foi vencida e nova vida nos foi dada. Mas, enfim, o que é a cruz? Uma tragédia, um sinal de derrota, um silêncio de Deus, que se cala diante da maldade do pecado e da morte? Será um sinal de que Deus não liga para a dor humana, para a injustiça que massacra o inocente?

Na Cruz de Cristo está significada toda a cruz do mundo: a do inocente que sofre, a dos órfãos, a dos pobres, sem nome e sem voz, a dos oprimidos. Na Cruz de Cristo está tudo aquilo que muitas vezes não entendemos e questionamos: por que tanta dor, sofrimento, injustiça? Por que Deus se cala e permite?

Na Cruz de Cristo está tudo aquilo que nos apavora, porque a cruz mostra-nos até onde o pecado nos levou, mas reflete com mais ardor até onde o AMOR de Deus está disposto a ir por nós. Ela era necessária para mostrar a gravidade do nosso pecado, da nossa loucura de querer construir nossa existência sem Deus. Porém, mostra até que ponto Deus nos leva a sério, sofre conosco.

Nosso Deus não explica o sofrimento; toma-o sobre os ombros, no silêncio e cheio de amor e piedade. Por isso, contemplar a cruz é levar a sério que existe dor e miséria, mas sobretudo compreender que Deus assumiu tudo isso em Cristo, que venceu a morte na ressurreição. Contemplar e adorar a cruz dá-nos a graça de nunca perder a esperança. Quem contempla a cruz não perde a confiança em Deus, não se desespera, pois Cristo fez dela um sinal de amor e ressurreição.

Que a cada dia possamos ouvir a proposta de Cristo: “se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia e siga-me.” (Lc 9,23). O seguimento a Cristo nos leva à salvação, que está na Santa Cruz de Cristo. Que, no nosso dia a dia, a cruz seja o reflexo do grande amor que Deus tem para conosco; nela encontremos forças para carregarmos a nossa cruz e sermos capazes de refletir a presença do Cristo que vive em cada um de nós.

Com alegria e esperança, festejamos a Santa Cruz, amando-a, adorando-a e nos transformando no amor de Cristo, pois é o amor que nos salva, apesar dos sofrimentos naturais. É, enfim, a Santa Cruz que glorifica nossos atos, pensamentos e sentimentos. Que este símbolo seja para cada um de nós o ícone do amor, da vitória, da vida, da esperança.

Viva a CRUZ de Cristo!

 

 

Diácono Vicente Ferreira de Sousa