Maria, Mãe!

 

            Sempre digo que a fé na intercessão amorosa da Virgem Maria é uma experiência fantástica! Ela é a Mãe que não desampara os filhos. Na minha vida sacerdotal, tenho ouvido inúmeros testemunhos da ação de Deus pelas mãos de Nossa Senhora.

            Em Fátima, Portugal, já tive oportunidade de levar alguns grupos de peregrinos. A sensação é sempre a mesma. Parece que somos assaltados pelo Céu. Uma emoção que vem de um modo tão gratuito que nos chama a atenção. As lágrimas correm pelo rosto espontaneamente. Parece que ali Deus deixou sua assinatura. Algo extraordinário se deu naquele lugar. Uma história que parece não ter ali o seu fim. Surgem, a cada tempo, confirmações do que lá se deu. Os acontecimentos da história são como profecias que se cumprem quando paramos para verificar o que “coincide com Fátima”. O Muro de Berlim (um pedaço do muro está exposto lá); o pontificado de São João Paulo II; a própria história das crianças, agora São Francisco Marto e Santa Jacinta Marta, e a longa vida de Ir. Lúcia!

            Já, em Lourdes, França, todos os dias podemos verificar a ação de Deus pela materna intercessão da Virgem. A procissão com os enfermos e a procissão luminosa de todas as noites enchem os olhos e as almas. O banho na gruta do milagre e o clima de recolhimento, silêncio, penitência e oração que invadem aquele lugar impressionam. Ali, no Santuário mais internacional da Igreja, constatamos que todas as gerações e línguas proclamam Maria como bem-aventurada! Que maravilha!

            Em Guadalupe, no México; em Lujan, na Argentina; em Aparecida, pertinho de nós, constatamos: o Céu nos deu uma Mãe! E que Mãe! A mulher que fala a nossa língua, que se cobre com nossa pele e que nos tem em seu olhar terno. Para quem tem fé, é sempre uma emoção renovada visitar esses lugares e se deixar embalar pela poesia e pelo canto que essa Mulher é para a vida da Igreja!

            Celebrando o mês de maio, Mês de Maria, declaremos nosso amor à Mãe de Deus e nossa! Como li numa camiseta há poucos dias: “Mãe, até Deus quis ter uma!”. E ela é tão especial que Ele a dividiu conosco! Que nossa devoção mariana só aumente e nos impulsione mais para Cristo Jesus! Como Ela mesma recordou em Caná: “Façam tudo o que Ele lhes disser!”.

 

Pe. Rinaldo Roberto de Rezende