“Se não fui o solo onde germinaste, serei o chão onde tu crescerás!”

Por muitas vezes, não entendemos os planos de Deus. Somos casados há 11 anos e sempre desejávamos ser pais; foram 8 anos de tentativas, orações, tratamentos e frustrações até que nosso coração amadurecesse para a adoção.

Iniciamos o processo em julho de 2017 com a entrega dos documentos. Participamos do curso e das entrevistas sociais e psicológicas até que, em setembro de 2018, estávamos oficialmente habilitados na fila da adoção.

Nosso perfil para adoção era de duas crianças de até 8 anos e 11 meses, em âmbito nacional. Abrimos o nosso coração para adoção tardia, algo ainda muito difícil hoje em dia, pois poucos casais se sentem preparados para adotar crianças maiores. No nosso caso, sonhávamos que nosso filho ou filha já participasse ativamente da nossa alegria.

Em 9 de janeiro de 2019, recebemos a ligação mais importante de nossas vidas: o núcleo de adoção de outro estado nos consultava sobre a possibilidade de adotarmos três irmãos. Isso mesmo! Deus nos concedeu a graça em abundância e ganhamos três meninos maravilhosos como filhos.

Antes de nos conhecermos pessoalmente, tivemos várias conversas com a psicóloga do núcleo onde as crianças estavam, até que, em 7 de fevereiro, tivemos o nosso primeiro contato e, após quinze dias de longas conversas por vídeo e muita ansiedade, o dia do nosso parto chegou. Nossos filhos nasceram no abraço mais esperado em toda nossa vida, no dia 25 de fevereiro de 2019, e até hoje nosso coração transborda de tanto amor.

O mais velho tem 8 anos, é muito curioso, inteligente e companheiro, adora descobrir e conhecer coisas novas. O do meio tem 3 anos, é o carinho em pessoa, cheio de fazer graça e encantar por onde passa. O caçula tem 11 meses, é o bebê mais sorridente que se pode imaginar.

A espera não foi fácil, muitas vezes fraquejamos na fé, mas hoje temos a certeza de que Deus não demora naquilo que confiamos a Ele. O tempo da espera é o sinal do capricho de Deus para nós! Se você sente o desejo de adotar em seu coração, inspire-se no “sim” de Maria, entregue-se a esse amor e peça a intercessão da Sagrada Família. José foi pai adotivo de Jesus. Tenha certeza que adotar é benção!

 

Rodrigo Cesar Amaral e Daniela Amaral